Links às páginas Web anteriores do KKE

As páginas internacionais do KKE mudam gradualmente para um novo formato. Pode encontrar as
versões anteriores das páginas que já estão actualizados (com todo o seu conteúdo) nos links abaixo:

A boa UE, o mau FMI e o governo SYRIZA-ANEL

por Dimitris Koutsoumpas, Secretário-geral do KKE 

Published in Ethnos newspaper

As discussões dos executivos do FMI, as quais foram publicadas no sítio do WikiLeaks, destacam as agudas contradições entre por um lado o FMI e secções do capital estado-unidense e por outro lado a UE, particularmente partes do capital alemão. Estas contradições são manifestadas quanto ao programa grego e às dificuldades relativas ao término da actual avaliação. 

É ingénuo pensar que a publicação destas discussões, neste momento, bem como o que se seguiu, como a reunião Merkel-Lagarde, tem a ver só com o processo da negociação do governo e a atitude de tecnocratas como Thomsen e Velculescu. 

As causas são muito mais profundas e estão relacionadas com a administração da dívida como um todo e não apenas a da Grécia, assim como o rumo da própria eurozona. 

Por exemplo: os EUA e, por extensão, o FMI, propuseram o término da avaliação como requisito prévio para um "haircut" da dívida grega, o qual será suportado principalmente pela Alemanha. 

A Alemanha reage a este perspectiva e levanta o término da avaliação como um instrumento de pressão para a aceleração das reformas, mesmo mantendo aberta a possibilidade de o país sair da eurozona. 

Portanto, o surgimento deste confronto através de publicações nos media não é nem aleatória nem sem precedentes. Recordamos o conflito EUA-Alemanha depois das revelações do agente Snowden da NSA, respeitantes às escutas de responsáveis europeus por agências dos EUA com o envolvimento da WikiLeaks.

Além disso, finalmente, mais generalizadas do que nunca, há muitos cenários conflituosos acerca do futuro da UE, sempre combinado com o futuro da eurozona, com a Grã-Bretanha, França e Alemanha como os actores chave deste conflito. 

Tudo isto acontece com o pano de fundo de preocupações quanto à economia global, porque em 2015 o crescimento capitalista global desacelerou, enquanto 2016 principia com mensagens perigosas. A ameaça de novos maus tempos sincronizados na economia capitalista global lança ainda mais "combustível para a fogueira" nos antagonismos entre grandes grupos de negócios, os respectivos estados e alianças internacionais, as quais actuam como gangs de ladrões. Suas alianças, acima de tudo, voltam-se contra o povo, enquanto são mantidas por tanto tempo – e em tantos campos – quanto a coerência dos seus interesses. 

Em relação ao governo, é óbvio que ele ergue as discussões do pessoal do FMI a fim de repetir a conhecida e testada chantagem de que "ainda pode ser pior" – para a aceleração da avaliação e o novo pacote de medidas, a fim de embelezar o memorando assinado com a UE. O interessante é que enquanto o governo SYRIZA-ANEL durante todo o período anterior investiu no papel do FMI e dos EUA, agora parece estar mais próximo das posições da UE e da Alemanha. Naturalmente, esta mudança do papel do "bom e do mau" não pode ocultar o facto de que tanto o FMI como a UE têm como objectivo comum a implementação de medidas anti-povo e o fortalecimento da lucratividade dos seus grupos monopolistas, a expensas do povo grego. 

O governo SYRIZA-ANEL, o qual foi eleito tendo como palavra-de-ordem o cancelamento dos memorandos, chega hoje, 15 meses depois, ao ponto não só de implementar as políticas anteriores da Nova Democracia e do PASOK como também de assinar mais uma, bem como fazendo sua "bandeira" a aplicação literal do memorando como um "acto de desafio" às exigências do FMI! 

Deste modo, ele tenta ultrapassar as dificuldades existentes para completar a avaliação – dificuldades que também se relacionam com as diferentes opiniões dentro do Quarteto – mas também para ultrapassar a mobilização contrária do povo e a oposição às novas medidas, à tributação, aos planos para a segurança social, etc. Os decisores políticos burgueses, tanto na Grécia como lá fora, preferem o "término" da "avaliação" pelo governo SYRIZA-ANEL, mas também estão a preparar-se para outras possíveis eventualidades políticas. Enquanto (ao mesmo tempo) os outros partidos da oposição e especialmente a Nova Democracia levanta a questão da mudança governamental, ou através de eleições ou com base no actual parlamento. 

Tudo isto deve ser conhecido do povo grego, o qual não deve assistir passivamente a estes desenvolvimentos, não deve ficar preso entre "Scila e Caribde", não deve ficar fascinado pelos jogos de media por parte do governo e outros partidos – mas sim, mais significativamente, a fim de ficar em posição, o movimento dos trabalhadores deve colocar o seu selo sobre os acontecimentos, guiado pelos seus próprios interesses e não pelo enganoso "objectivo nacional" da recuperação, o qual é de qualquer modo incerto, sobretudo porque este objectivo será baseado nas ruínas dos direitos dos povos. 

Acima de tudo, o povo deve estar em posição de organizar e dirigir o seu combate para a afirmação dos seus direitos, para a construção de uma nova grande Aliança Popular, a qual terá como alvo este mesmo sistema apodrecido e os seus grupos monopolistas. 

Especialmente pessoas que reconhece a militância do KKE, a sua estabilidade e coerência na luta pelos interesses do povo, já está a reflectir profundamente. Elas podem e devem dar hoje o passo e apoiar activamente as propostas políticas do KKE para a saída da crise, para um novo tipo de organização social, a qual abolirá as relações bárbaras de exploração, organizará e dirigirá a produção, a economia, os serviços sociais, as relações com outros países destinadas a beneficiar a prosperidade do povo, as necessidades populares e a salvaguarda do trabalho permanente e estável para todos. 

Quanto mais esta proposta ganhar terreno, melhor estaremos em posição de atrasar e impedir as medidas anti-povo, de exigir a melhoria da nossa vida, de alcançar objectivos. Há experiência suficiente. Mas o povo ainda não percebeu e recuperou o seu verdadeiro poder. Isto é o poder que ele deve e pode testar agora. O governo não deve ter a ilusão de que se apresentar a proposta de lei ao parlamento durante os feriados da Páscoa – junto com a crucificação e o epitáfio – o povo não estará nas ruas. 

10/Abril/2016